Entenda O Cinema Coreano: Do Preto E Branco À Parasita

parasita filme cinema coreano

O cinema coreano chegou para ficar. Parasita, Invasão Zumbi e A Empregada são exemplos de filmes que chamaram a atenção e vêm sido comentados, criticados e amados por muitos de nós. Mas como foi o começo do cinema coreano? Ele sempre foi tão grandioso como é agora?

As origens do cinema coreano

Até o fim da década de 1910, todos os filmes exibidos na Coreia eram estrangeiros, em sua maioria, produzidos no Ocidente. Entretanto, Park Seongpil, um produtor, diretor e distribuidor de filmes, comprou um dos cinemas da Coreia, Dasungsa, e patrocinou o lançamento do primeiro filme nacional. 

O primeiro filme lançado na península foi A Vingança Honrada (의리적구투), do diretor Kim Do-san, em 1919. Após isso, Park se tornou proprietário de, ainda, mais um cinema, Gwangmudae.

O cinema coreano durante a colonização japonesa 

Entretanto, o começo do cinema coreano foi tímido em lançamentos, muito devido à colonização japonesa na península. Entre os títulos da época, podemos citar Arirang (아리랑) de 1926 e Ao encontrar o amor (사랑을 찾아서) de 1928, mas existiram outros. Esses filmes foram produzidos e estrelados por Na Woon-gyu, um jovem, porém talentoso diretor e ator da época. Nenhum deles, entretanto, restou para que possamos vê-los atualmente.

Até então, os filmes eram em preto e branco e mudos. Sweet Dream (미몽) é um marco por ter sido o primeiro filme coreano com áudio que foi preservado e pode ser assistido até hoje.

Entretanto, tanto pela qualidade de áudio e produção, quanto pelo volume de lançamentos, podemos afirmar que o cinema coreano ainda era muito pequeno durante a colonização.

O cinema coreano após a libertação da Coreia

Assim que a Coreia foi libertada, o filme Viva, Freedom (자유만세), de Choi Ingyu, foi lançado. Trata-se da história de amor do protagonista, que foge do exército japonês por se envolver no Movimento de Independência, e acaba se apaixonando por uma enfermeira. 

Esse filme alcançou grande sucesso e se tornou um dos representantes sobre a Independência, mas há muita controvérsia quanto ao diretor por este ter colaborado com os japoneses durante a colonização.

Após isso, vale mencionar os filmes Hometown in My Heart (마음의 고향), lançado em 1949 por Yun Yong-gyu, por ser um filme considerado completo ambos em conteúdo e em entretenimento. Também não pode ser esquecido A prosecutor and a teacher (검사와 여선생), ainda da década de 40, por ser considerado emocionante e interessante. 

O cinema após a Guerra das Coreias

A guerra das Coreias (1950-1953) deixou uma grande marca no Sul e no Norte. Ambos tinham muito para recuperar após a guerra e durante ela, então, produzir filmes não era viável. Os poucos títulos que foram lançados na época se perderam, Daí, a interrupção que a indústria de cinema sofreu por alguns anos. 

Na Coreia do Sul, a década de 50 após o fim da guerra, então, foi fundamental como uma preparação para que o cinema coreano pudesse se reerguer e crescer realmente. Filmes com temáticas anticomunista, romances e comédias foram amplamente produzidos nesse meio tempo. Entre eles, podemos citar 피아골, 자유부인 e 운명의 손.

A Era de Ouro do cinema coreano

A partir dos anos 50, o governo coreano e contribuições estrangeiras patrocinaram o cinema do país para ajudá-lo a se reerguer, até os anos 70. Essa época é marcada por uma grande produção de filmes e é conhecida como a Era de Ouro do cinema da Coreia do Sul.

Entre os lançamentos daquela época, podemos citar A empregada (하녀) (originalmente de 1960 e que foi refilmado em 2010). É um filme de terror psicológico e conta a história de uma mulher contratada por uma família de classe alta para ser sua servente.

Nessa época, entretanto, a Coreia do Sul sofria com a ditadura Syngman Rhee e, como tal, com a censura de vários filmes e autores. Isso causou com que alguns fossem banidos da indústria e até mesmo presos.

O fim da Era de Ouro e a Crise de 1997

Com o fim da Era de Ouro, a censura continuou pela ditadura Park Chunghee. Após seu assassinato e o começo do governo Chun Doo-hwan, ela só se tornou mais pesada. Foi só em 1980, com a acelerada industrialização da Coreia do Sul, que a censura do governo começou a se tornar mais branda. 

Daí, quando o cinema coreano começava a retomar força, a crise do FMI (Fundo Monetário Internacional), em 1997, e conflitos militares com a Coreia do Norte criaram mais um obstáculo para o cinema coreano. Embora esses empecilhos tenham atrasado a produção da época, os diretores de cinema insistiram e um novo movimento foi iniciado. 

O Novo Cinema Coreano: A era dos blockbusters coreanos

Foi em 1999, com o lançamento de Shiri, por Kang Je-gyu, que a Coreia viu nascer a época de blockbusters. O país começou a produzir vários filmes que ganharam fama não só entre os coreanos, mas também internacionalmente. Entre eles, podemos citar My Sassy Girl (2001), A Irmandade da Guerra (2004) e, entre nossos queridinhos mais recentes, Invasão Zumbi (2016) e Parasita (2019). 

Essa é a era que marca os cinemas cheios não só na Coreia, mas também em países do Ocidente e, é claro, aqui no Brasil para ver filmes coreanos. E o Oscar e o Pomo d’Ouro recebidos por Parasita mostram que o Novo Cinema Coreano não só veio para ficar, mas também para fazer história.

E então, galera? Qual o filme coreano favorito de vocês? Contem para a gente aqui embaixo e não esqueçam de ver Parasita!!!

FONTES

KI, Celeste. The History and Rise of the Korean Cinema. Iowa State Daily, 20 de fev. de 2020.

LEE, Gyu-lee. ‘Righteous Revenge’ marks birth of Korean cinema.

LEE, Kyuwoong. 한국영화 100년사 시기별 트렌드. IGN Korea, 3 de nov. de 2019.

Summary
Entenda O Cinema Coreano: Do Preto E Branco À Parasita
Article Name
Entenda O Cinema Coreano: Do Preto E Branco À Parasita
Description
O sucesso do cinema coreano veio muito antes da estreia do aclamado Parasita. Quer entender um pouco mais sobre esse gênero? Então confira!
Author
Publisher Name
Hallyu Brasil
Publisher Logo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *